7 carreiras possíveis na música

Uma geral em algumas das carreiras possíveis na música, para quem quer viver de música, mas tem medo de não conseguir ganhar o suficiente

Muitos músicos, iniciantes ou não, têm a vontade de seguir carreira. Muitas vezes pensamos apenas naquela possibilidade que nos levou à música, sem pensar que existem várias formas diferentes de viver disso – e, não raro, usamos mais de uma!

Vamos dar uma olhada em algumas das principais carreiras dentro da música: Continue Lendo “7 carreiras possíveis na música”

Como superar o bloqueio criativo?

Algumas dicas acumuladas ao longo dos anos para dar uma rasteira nesse monstro de uma vez por todas!

Recentemente, durante a palestra do compositor Shota Nakama no evento Game Audio Meeting, um colega compositor perguntou o que deveria fazer para superar bloqueios criativos. Ele respondeu, em tom de brincadeira, algo como “simplesmente faça música, e o bloqueio vai sumir”.

Acho que esse fenômeno é algo bem comum em quem trabalha com a criatividade, seja na música ou em outras áreas. E acho bacana desmistificá-lo.

Quando estamos fazendo música para nós mesmos, podemos nos dar ao luxo de ter um bloqueio. Queremos passar uma mensagem, veicular uma ideia, dar vazão a sentimentos que, muitas vezes, nós mesmos não entendemos – faz sentido a sensação de não saber como começar ou continuar aquela peça. Já cheguei a deixar ideias “de molho” por anos por causa disso.

Porém, quando estamos criando música como um trabalho – provavelmente compondo trilhas para cinema, TV, games ou o que for -, esse luxo não existe. Não podemos atrasar o prazo porque a musa da inspiração não nos visitou.

Em qualquer dos casos, queria oferecer algumas dicas que fui acumulando ao longo dos anos a respeito dessa praga que às vezes nos incomoda tanto:

  1. Criando música com o aplicativo Samplr
    Criando música no tablet

    Comece por algum lugar. É bem o que o sr. Nakama falou: a gente precisa fazer música para a música existir. Se ficarmos olhando para o instrumento esperando que uma ideia surja do nada, provavelmente vamos esperar muito tempo…

  2. Use suas ferramentas técnicas. Às vezes é uma sequência bem comum de acordes que pode inspirar o surgimento de uma boa melodia; às vezes, um bom começo de melodia que você pode desdobrar em pergunta-e-resposta (falo sobre isso neste e-book); e às vezes é uma letra mal rascunhada, sem rima nem nada, que você depois pode lapidar em algo mais bonito. Essa primeira ideia nem precisa ficar na música até a versão final – mas ela é importantíssima pra colocar sua máquina criativa para funcionar.
  3. Repita. As músicas que mais ficam na nossa cabeça são aquelas que usam recursos de repetição, seja ela literal ou retrabalhada (um dos assuntos mais bacanas do curso Teoria Musical para Compositores, explicado brevemente também aqui). A verdade é que a maior parte das músicas que a gente ouve e ama é construída a partir de duas ou três ideias básicas. Aproveite: é mais gratificante e menos cansativo tanto para o compositor quanto para o ouvinte!
  4. Abuse das referências. Aceite: ninguém cria nada 100% original. Nossas músicas sempre partem de algo que já ouvimos, em maior ou menor grau, você percebendo ou não. Então, quando não souber por qual caminho seguir, procure artistas que já fizeram algo parecido com o que você tem em mente e veja quais ideias você pode aproveitar na estrutura da sua! Só não me vá plagiar os outros, né?
  5. Experimente outras abordagens. Compõe sempre ao violão? Tente partir de uma ideia direto no PC. É pianista de formação? Brinque um pouco com uma flauta ou algum aplicativo musical de celular. Trabalhar com ferramentas que a gente não conhece bem pode ajudar a trazer ideias diferentes!
  6. Não acredite em bloqueio criativo. Trabalhando com trilha sonora a gente é meio que obrigado a não acreditar nisso, senão não temos salário! Mas independente disso, se você alimenta o Monstro do Bloqueio, ele puxa seu pé de noite e devora sua confiança no café da manhã. Coloque as dicas acima em prática e, em pouco tempo, ele vai estar tão pequeno que você vai poder esmaga-lo com um pisão 😉

Espero que essas dicas tenham te inspirado! Aproveite e vá lá compor!

Sugestões? Dúvidas? Anseios? Deixe nos comentários!

Seis dicas dos compositores de Final Fantasy XV e God of War

As ideias de Shota Nakama e Gerard Marino para quem quer criar trilhas sonoras para videogames ou outras mídias

[Este post foi revisado pelos compositores. Thank you so much for your help, Mr. Marino and Mr. Nakama!]

A semana passada foi muito rica para profissionais e entusiastas do universo do áudio para games: tivemos em São paulo o Game Audio Meeting, primeiro evento exclusivo da área no Brasil, organizado pelo nosso parceiro Thiago Adamo da Game Audio Academy; e o BIG Festival, importantíssimo festival internacional voltado a jogos independentes.

Ambos os eventos foram recheados de palestras importantes, entre as quais as dos ícones Shota Nakama, arranjador e um dos compositores de Final Fantasy XV e Kingdom Hearts 2.5 (sim, ele já sabe  com o que o nome dele se parece em português e também faz piadas a respeito!) e Gerard Marino, compositor da série God of War. Os dois deram dicas valiosíssimas para quem trabalha ou quer trabalhar com trilhas sonoras, de games ou não, e eu selecionei seis delas para compartilhar aqui: Continue Lendo “Seis dicas dos compositores de Final Fantasy XV e God of War”

Voltando das férias

Novo cronograma de conteúdos gratuitos para a Academia de Composição

Olá, compositores!

Vocês que acompanham a Academia de Composição notaram que, conforme anunciado, passei o último mês de “férias” para conseguir organizar um novo cronograma de conteúdo gratuito.

Bem, estamos de volta! A partir de agora, você pode esperar novos conteúdos por aqui a cada 15 dias, nas quintas-feiras às 9h. Em sua maioria serão textos, como o que sai amanhã. Os vídeos ficarão reservados para assuntos especiais, bate-papos, entrevistas e, eventualmente, vídeos ao vivo.

A Academia continua aberta a posts de convidados. Se você quiser publicar um texto aqui no site, fale comigo!

Nos vemos em breve para falar de sintetizadores e efeitos para suas produções!

Mudanças vêm por aí

Detalhes sobre como a Academia de Composição vai funcionar a partir de hoje

Olá, compositores!

Recentemente aconteceram algumas mudanças bem significativas na minha vida. Uma delas é o fato de que, desde o início do mês, passei a integrar a equipe de compositores e sound designers da Tapps Games.

Contribuir para os jogos de uma das maiores empresas de games do país é uma daquelas situações típicas do Peter Parker: com grandes poderes, vêm grandes responsabilidades. E grandes responsabilidades, a gente sabe, demandam muito tempo.

Assim, seria impossível manter a frequência semanal de conteúdos gratuitos (e, ao mesmo tempo, a minha sanidade)!

“Oh meu Deus, a Academia de Composição morreu???” – Não, pode respirar aliviad@. Ainda teremos conteúdos bacanas por aqui – porém, com outra regularidade. E para conseguir organizar a agenda e definir uma frequência bacana para todos nós, vou precisar tirar um breve período de “férias” dos posts e vídeos.

Isso não quer dizer que a Academia de Composição vai ficar parada. Nos planos para o futuro próximo, estão:

  • Competições de composição;
  • Abertura para colaboradores (tem um texto bacana ou uma ideia de coluna e gostaria de publicar aqui? Escreva para mim);
  • Mais posts no Facebook e Twitter com o conteúdo de parceiros e canais relacionados à nossa área;
  • Alguns vídeos mais espontâneos e diretos;
  • Atualizações no curso Teoria Musical para Compositores (que continua firme e forte).

Então continue acompanhando a Academia nas redes sociais, não deixe de assinar a newsletter (e-book gratuito incluso!) e vamos para a fase 2!

Música Erudita X Música Popular

Quais as diferenças? As semelhanças? Onde esses dois mundos se encontram? Conversamos sobre esses e outros tópicos com Rodrigo Faleiros

Na última quinta, 30/03, convidei o maestro e compositor Rodrigo Faleiros para um papo sobre música erudita (ou clássica) e popular. Quais as diferenças? As semelhanças? Onde esses dois mundos se encontram? Por que esses nomes? E o que precisamos estudar para compor em cada uma dessas vertentes?

O vídeo de hoje é a versão editada desse papo gravado pelo Google Hangouts. Se quiser conferir a versão completa (com mais histórias, mais bobagens e mais interatividade), clique aqui.

Ah, sim: e hoje é o último dia para se inscrever na Turma 2 do curso Teoria Musical para Compositores. É também o último dia com o valor atual. Se quiser tirar alguma dúvida sobre ele, escreva para mim 🙂

Dúvidas, sugestões, opiniões? Deixe nos comentários!