Trilha Sonora: dicas e conceitos essenciais (com profissionais da área!)

Confira os conceitos e dicas essenciais para trabalhar com trilhas sonoras! Com a participação de Mike Vlcek e Kaue Lemos.

Quer trabalhar com trilhas sonoras de games, publicidade, cinema? Confira os conceitos e dicas essenciais para esse grande ramo da composição musical – com a participação de Mike Vlcek, produtor de trilhas para publicidade na Satelite Audio, e Kaue Lemos, especialista em produção de áudio para jogos eletrônicos na Insane Games e 7Sounds.

Ah, pessoal, semana que vem teremos uma coisa MUITO legal aqui no blog! Inscreva-se no mailing para receber antes de todo mundo! 🙂

Assuntos e tempos no vídeo (pelo YouTube você consegue clicar no tempo e ir direto pra cada parte):
00:14 O que é trilha sonora
00:26 Imersão
01:09 Condução narrativa
01:36 Função
02:01 Referências
03:12 Timecode
03:46 Opinião
04:13 Mike Vlcek – Dicas para publicidade
05:19 Kaue Lemos – Dicas para games
06:49 Final

[EDIT:] Ao longo da semana, as pessoas comentaram bastante sobre este vídeo no Facebook, e acho que vale trazer aqui uma das questões que foram levantadas. Um compositor experiente falou sobre a questão de se usar um baixo elétrico numa trilha medieval (exemplo que dou no primeiro tópico do vídeo sobre algo que quebraria a imersão). É proibido? Certamente que não! Porém, é necessário grande domínio por parte do compositor para manter a imersão do expectador/jogador fazendo uso de instrumentos que não condizem com a “realidade” daquele universo ficcional. Foram citados exemplos como o filme 300 (que agrega não só um instrumento nada Grécia Antiga – a guitarra elétrica -, mas o gênero rock como um todo) e Ladyhawke, que se passa na época medieval e conta com uma trilha calcada em sintetizadores e rock progressivo.

Quando falamos de arte, não se pode dizer que alguém está errado. Não se pode falar em regras absolutas. Mas como o trabalho do compositor de trilhas é emprestar sua arte para a arte de outrem falar mais alto, é importante ter cuidado e critério para fazê-lo bem. Se você conseguir ajudar a contar uma história medieval usando um baixo elétrico na trilha (ou uma história futurista usando liras, flautas e alaúdes etc.), não hesite – mas, se não tiver tanta certeza, pode ser melhor não arriscar tanto.

Dúvidas? Sugestões de temas para o canal? Deixe nos comentários!

Autor: Thiago Schiefer

Thiago Schiefer é um compositor de São Paulo. Focado principalmente em música e efeitos sonoros para games nos últimos anos, é compositor e sound designer na Tapps Games, a maior empresa brasileira de jogos para smartphones. Criou também todos os sons para jogos como Eliosi's Hunt e Drop Dead Twice. Em sua carreira solo, lançou dois álbuns: Prototype: Freedom (2013) e Living Room Sessions (2015).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s