Análise estrutural: The Legend of Zelda

Análise da estrutura musical do tema de The Legend of Zelda, de Koji Kondo

Link tocando flauta
Link (crédito: divulgação)
Link (crédito: divulgação)

Começando uma nova categoria aqui na Academia de Composição, hoje vamos analisar o tema principal da franquia The Legend of Zelda, a partir da primeira versão da série. O conteúdo foi retirado de um workshop que ministrei no Sesc Consolação em setembro de 2016.

Análises são uma ótima forma de desenvolver sua linguagem composicional. Entendendo como seus compositores favoritos criaram as músicas que você gosta, você pode aproveitar algumas ideias nas suas próprias criações.

Sem mais delongas, vamos ao tema de Zelda.

A música é construída sobre a forma binária (uma das formas comuns de escrita de música erudita), porém conta com uma introdução. Sua estrutura básica é:

  • Introdução
  • Tema A
  • Tema B

Sendo que o tema B começa e termina com o mesmo material musical do tema A e se desenvolve no tom da dominante. Como assim? Ouça mais uma vez acompanhando a partitura (se não sabe ler partitura, tente acompanhar mesmo assim – não é tão difícil quanto parece) e vamos para a análise:

Introdução

analise-de-trilhas-de-games

Nos primeiros quatro compassos são apresentados o motivo básico da música e a harmonia sobre a qual ela será construída (em Bb menor). Repare como o baixo (a parte mais grave da música) tem uma ideia descendente: Bb – Ab – Gb – F.

Preparação para o tema

analise-de-trilhas-de-games-1

Aqui temos dois compassos apresentando a base e, em seguida, quatro introduzindo o tema principal, que será desenvolvido a seguir.

Tema A

analise-de-trilhas-de-games-2
Aqui temos o tema se desenvolvendo em 8 compassos a partir da melodia anterior. O baixo é contínuo (faz sempre o mesmo ritmo) e, na região aguda, temos duas melodias em contraponto (ou seja, independentes).

Apesar de a música ser em Si bemol menor, Koji Kondo escolheu iniciar o tema com um acorde de Si bemol maior (o que deduzimos a partir do Ré natural na melodia intermediária). Essa troca entre acordes maiores e menores é comum, especialmente no âmbito da música erudita mais antiga – época com a qual a trilha do jogo flerta o tempo todo.

Tema B

Partitura The Legend of Zelda
analise-de-trilhas-de-games-4

O tema B surge a partir do tema A: começa com os mesmos dois compassos, tem um desenvolvimento diferente em 8 compassos, e é finalizado com os mesmos dois do tema A (totalizando 12 compassos).

Nestes 8 compassos do desenvolvimento, a música modula para a tonalidade de Fá maior – que é o tom da dominante (quinto grau) de Si bemol maior. Na forma binária, essa modulação é muito comum no tema B, bem como o desenvolvimento mais longo (8 compassos no tema A, 12 no B, sendo os dois primeiros e os dois últimos iguais em ambos).

Daqui a música volta para o começo, no característico loop das músicas de games.

Ficou com alguma dúvida? Tem alguma sugestão para o blog ou para o canal no YouTube? Deixe nos comentários!

Autor: Thiago Schiefer

Thiago Schiefer é um compositor de São Paulo. Focado principalmente em música e efeitos sonoros para games nos últimos anos, é compositor e sound designer na Tapps Games, a maior empresa brasileira de jogos para smartphones. Criou também todos os sons para jogos como Eliosi's Hunt e Drop Dead Twice. Em sua carreira solo, lançou dois álbuns: Prototype: Freedom (2013) e Living Room Sessions (2015).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s